Maestro


  • Tiago Tavares iniciou os seus estudos musicais na Banda Musical "Flor da Mocidade Junqueirense" com 8 anos com o Prof. Luís Fernandes e, aos 9 anos, ingressa no Conservatório de Música da Jobra, na classe de percussão com os professores Pedro Fernandes, Bruno Estima e João Paulo Fernandes. Em 2012 foi admitido na Escola Profissional de Música de Espinho (EPME) na classe dos professores Joaquim Alves, Nuno Aroso, Rui Rodrigues e Pedro Oliveira, tendo terminado o curso em 2015. Durante o seu percurso na EPME teve aulas de vibrafone de jazz com o professor Jeffery Davis e Eduardo Cardinho, bem como de teoria do jazz com Paulo Perfeito.
  • Nesse mesmo ano começou a licenciatura na Universidade do Minho na classe de percussão com o professor Nuno Aroso.
  • Colaborou com a Orquestra de Jazz da EPME, Grupo de Percussão da EPME, com a Orquestra Clássica de Espinho, Orquestra "Ópera no Património", Orquestra da Costa Atlântica e com a Orquestra da Universidade do Minho. Ainda no campo orquestral, interpretou a obra "Spices, perfums and toxins", acompanhado pela Orquestra Clássica de Espinho.
  • Ao nível de música de câmara, desenvolveu um projeto de divulgação de música portuguesa para clarinete e percussão, onde teve a oportunidade de estrear as obras "Clarimba" de Paulo Perfeito, "Não é parar que é morrer…"  de Nuno Peixoto de Pinho e "Tiig Orago" de Eduardo Serra.
  • É co-fundador de um grupo de percussão, "Junqueira Percussion Group", focado em concertos realizados à base de materiais reciclados. Ao longo do seu percurso no ensino superior, colaborou com o grupo de percussão da Universidade do Minho, onde estreou "Bridges and Gardens" de João Pedro Oliveira e Lei Liang e "La forme d’une ville change plus vite, hélas! que le coeur d’un mortel" de Tiago Cutileiro, "Beginning of Origin" de Tiange Zhou, bem como a estreia nacional de "Quattro" de Carlos Caires.
  • Participou em workshops e masterclasses de percussão lecionados por Aurél Holló, Bruno Costa, Filippo Lattanzi, Bart Quartier, Nuno Simões, Emmanuel Séjourne, Richard Buckley, Markus Leoson, Kuniko Kato, Mário Teixeira, Roland Denes, Bence Major e João Tiago Dias.
    Durante o seu percurso, trabalhou com maestros como Pedro Neves, Jean Marc-Burfin, Jean Sébastien Béreau, Rui Pinheiro, Paulo Martins, Daniel Dias, Paulo Perfeito, Gerardo Estrada, Hans Casteleyn, Claude Villaret, Douglas Bostock, Henrie Adams, entre outros.
  • Ao nível de Direção de orquestra de sopros, participou como ouvinte no 2º estágio de direção de Mira com Douglas Bostock e como aluno ativo no 2º estágio de direção da Banda Sinfónica Terras de Serpa Pinto, com Henrie Adams.
  • Em 2019 terminou a licenciatura em interpretação do instrumento – percussão, sob a orientação de Nuno Aroso, na Universidade do Minho com a classificação final de 18 valores no recital. Posteriormente, realizou um projeto de investigação intitulado “A influência das técnicas estendidas na percussão no ensino especializado da música”, no âmbito do mestrado em ensino de música ministrado pela mesma instituição, tendo terminado com a média final de 17.
  • É professor na Escola de Música "Manuel Joaquim de Almeida" desde 2011 e músico da Banda Musical Flor da Mocidade Junqueirense desde 2005.




Visitantes

Esta Semana20
Este Mês1211
Total142665